Enquisa HostaleríaDigna

A José Iglesias Paz (texto lido no enterro do companheiro)

Un combatente

A vida do povo trabalhador é uma vida dura é difícil, mas houve homens e mulheres que como o nosso companheiro José Iglesias Paz, lutaram por cambiar o mundo, lutaram e trabalharam arreio para legar-nos a todas nós um mundo sem exploradores e explorados, um mundo novo em que o apoio mútuo e a solidariedade regeram as relações entre as pessoas.

José Iglesias Paz emigrou a Catalunya com 18 anos, e alá no trabalho da mina, conheceu aos companheiros das Juventudes Libertárias e da CNT, ali estudou, e o mais importante ali fez sua a causa da emancipação da classe trabalhadora.

Depois viu a guerra, a revolução social, o exílio, os trabalhos forçados em Europa para a Alemanha nazi, e como era um homem duma peça, como era um militante confederal e anarquista convencido, de novo entra em Espanha a organizar a jurídica para apoio dos companheiros e companheiras anarquistas pressas.

Consegue José estar vários anos trabalhando arreio, do 1948-1949, e cai numa redada policial. Sofre tortura e é condenado a pena de morte, que será depois comutada por onze longos anos de cárcere.
A saída do cárcere volve a Galiza e trabalha um tempo até que ter que voltar a emigrar e pede asilo político na Suíça.

Mas José não se parou, não esqueceu num só momento da sua vida as ideias pelas que lutara, e seguiu a organizar, a colaborar, a participar nos grupos anarquistas do exílio e da Suíça.

José Iglesias Paz poderia ser um mais dos centos de miles de homens e mulheres que sofreram as “garras” do fascismo, mas não foi um mais. José estava feito duma pasta especial, da matéria prima que só têm uns poucos. José era dessas pessoas que são quem de seguir nos momentos mais difíceis da vida, de dar a cara, de perder o medo, de amar, de fazer amigos, e de convencer aos demais de que vale a pena lutar por transformar este mundo tão injusto.

Ele não se dava importância, era um de nós. Não tinha essa “aureola” de vitimismo tão comum nos vencidos. José foi derrotado muitas vezes, mas nunca foi vencido, porque as suas ideias e a sua prática solidária levou-nas consigo até o fim da sua vida, porque ainda agora acreditava na CNT e nos companheiros e os olhos colhiam brilho ao falar da classe trabalhadora, dos “obreros” como ele dizia, ao falar-nos dos companheiros e companheiras que foi deixando no seu longo caminho.

José Iglesias Paz figura nas enciclopédias com pleno direito, nos livros que falam de que houve uns homens e mulheres que num tempo lutaram, e muitos morreram, por fazer para todos nós um mundo novo.
José Iglesias Paz conheceu em Ourense à sua mulher Pilar à saída do cárcere, companheira que lhe acompanhou até o final. Pilar. Para José Pilar era a sua vida, era uma importante razão para seguir adiante, e encontrou-a-na a a uma idade e num momento da vida em que as alternativas vão-se esgotando. José foi com Pilar à Suíça e voltou à Galiza definitivamente há poucos anos, deixando atrás a perda do filho da que sempre falava com tristeza, e vinculou-se de novo à CNT.

José neste anos últimos deu charlas e mitins a mais de 100 Km. De distância do seu domicílio, sempre acompanhado pelos companheiros Miguel e Ana, e sempre estava disposto a ires a onde pudera ajudar ao sindicato.

Os companheiros e companheiras que o conhecemos nunca esqueceremos o seu riso, a força da sua palavra, a verdade que transmitia, as ideias anarco-sindicalistas que levou sempre no coração ; a sua alegria e optimismo ; o seu carinho ; a sua consciência de classe ; a sua preocupação pelos trabalhadores e trabalhadoras hoje.

José mostrou-nos a tod@s nós que é possível passar pelo mundo com dignidade, e que não há seres anónimos no entanto haja pessoas que recordem e não façam da memória um olvido.

Os amigos e companheiros de José Iglesias Paz temos um oco no coração neste momento e teremo-lo que encher com seu recordo. José foi um espelho no que nos miramos, e se seguirão a ver, toda a gente que luta por um mundo mais justo e humano, um mundo dos trabalhadores, um mundo sem exploração.

Esse era José Iglesias Paz : um cenetista e um anarquista.

Que a terra te seja leve, companheiro !

Diversos medios fan-se eco da noticia, entre eles a COB-AIT
http://portugal.indymedia.org/ler.php?numero=78702&cidade=1

A paxina confederal:
http://www.cnt.es/noticia.php?id=2485

Union Libertaria:
http://unionlibertaria.org/web/node/228

Indymedia Tijuana (México)
http://imctj.espora.org/news/2006/06/1420.php

Nodo50
http://www.nodo50.net/

http://www.anarca-bolo.ch/baronata/libri/minnig.htm

Centro midia independente (Brasil)
http://www.midiaindependente.org/